segunda-feira, 24 de outubro de 2005

Milésima Canção de Amor

Acústicos & Valvulados

Parece sorte
Que eu veja tudo tão perto do azul
Vivo sem norte
E sem noção, você volta e diz
Repete o corte
O efeito, o rosto e o mal que me faz
Pensar que é tarde
Pra terminar verso, estrofe e refrão
Da milésima canção de amor que eu escrevi
Minha rima fácil não combina por divina providência
Que chegue tarde
Assalte o santo da consolação
Que abrace forte
Como se fosse a última vez
que seja parte
Jamais distante, jamais singular
que não se canse
e venha ouvir verso, estrofe e refrão
Da milésima canção de amor que eu escrevi
Minha rima fácil não combina por divina providência

2 comentários:

Yara disse...

É o amoooooooooor!!!

Paulinha disse...

Jana!!!!!!
Entra no meu blog! atualizei!